cultura
IMG_1660A Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro apresenta o projecto “Memórias da Ruralidade na Arte; Rememórias Museológicas”, resultante da parceria com o barrista Carlos Dias, Barcelos, que muito tem contribuído para uma cada vez maior sensibilidade no trabalho do barro e, juntamente com Vieira Duque, Conservador do Museu, e o seu texto sobre Memória inspirado em Dionísio Pinheiro em obras expostas no Museu – 16 no total entre pintura a óleo, mobiliário, vidros, porcelanas chinesas “Companhia das Índias”, criaram estes Galináceos.
Galináceos que nascem a partir de um par (números zero)– experiência e conquista de Carlos Dias sobre a matéria – e o culminar da dualidade Campo/Cidade em Dionísio Pinheiro – perspectiva rememorativa de Vieira Duque – numa edição limitada e de prestígio, com peças numeradas, numa contextualização idealizada artisticamente e ligada às artes do barro, da Museologia, da Conservação, gráficas e literárias.
Assim, foram executados 100 galos e 100 galinhas artesanalmente; assinados pelo autor e com a designação abreviada da Fundação; numeradas de 0 – 100 cada; e acompanhados por este certificado assinado e com o carimbo branco.

Preços:  Refª 1-5: €40   |   Refª 6-10: €35   |   Refª 11-25: €30   |   Refª 26-50: €25   |   Refª 51-100: €18



"Raízes"


RazesVOLTANDO ÀS RAÍZES


Da terra
                 a cor
do tempo
                 o fim
o mistério da face
esfíngica e austera.
 
No regaço sossega
aprisionada 
                      a criatura.

A velha e a galinha
terra de sombra queimada.

A Guia e a pintura.

               Leocádia Regalo